[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Atividades Acadêmicas

Confira abaixo as ementas das disciplinas desempenhadas pelos coordenadores do Neitec:

[zilla_tabs] [zilla_tab title=”Suzana Borschiver”]

– Disciplinas na Graduação / Escola de Química – UFRJ:

GESTIP

Caracterização do processo histórico e atual do desenvolvimento tecnológico. A posição dos países, setores industriais e agentes-empresas, universidades e institutos tecnológicos – na geração da C&T. O dilema aparente: aquisição versus geração de tecnologia e as alternativas possíveis. As parcerias tecnológicas nas áreas de fronteira tecnológica. A alavancagem da PeD através de mecanismos fiscais, financeiros e outros. A inovação tecnológica e a inteligência competitiva. O uso dos indicadores de PD&E na gestão estratégica das empresas. Transferência de tecnologia: importância para países desenvolvidos e emergentes como o Brasil, tipos de contratos , visão proativa na aquisição de tecnologia, formas de pagamento e de remessas para o exterior. Propriedade intelectual: características, legislação aplicável, instituições responsáveis no nível internacional e local, benefícios e desvantagens para a empresa e para a sociedade; a utilização do sistema de PI como fonte de informação tecnológica:  metodologias de busca e de  prospecção tecnológica.

 
Gestão Tecnológica

Caracterização do processo de desenvolvimento tecnológico; o papel dos agentes envolvidos na geração de tecnologia. Organização para P&D tecnológicos, transferência de tecnologia, sistema de ciência e tecnologia. Propriedade industrial / sistema internacional de patentes. Aspectos especiais do setor.

 
Gestipol

 Visão geral da indústria de polímeros. Pólos petroquímicos do Brasil. Características do mercado de polímeros no Brasil e no Mercosul. Indústria brasileira de transformação de plásticos. Processos de inovação. Transferência de tecnologia na área de polímeros. Pesquisa e desenvolvimento na indústria brasileira de polímeros. Interação entre universidade e empresas do setor. Patenteamento de polímeros no Brasil. Tendências na área de polímeros – “polímeros verdes”, nanocompósitos poliméricos, polímeros inteligentes, reciclagem de polímeros.

 
Avaliação Econômica de Processos Orgânicos

O empreendimento químico. Ciclos da vida de uma tecnologia e de uma planta industrial. Peculiaridades da indústria química orgânica. Estudo do mercado e definição da capacidade da planta. Etapas e eventos na implantação de um projeto. Tipos de estudos e níveis de abordagem. Fluxogramas, bancos e caracterização da planta para efeito de estudo. Estimativas de investimento. Financiamento. Cronogramas físico e financeiro. Custos de produção, variáveis e fixos. Resultados operacionais. Fluxo de caixa integrados do projeto. Avaliação de viabilidade: pontos de quilíbrio, taxa interna de retorno e análise de sensibilidade. Estudo de caso cobrindo todas as etapas de um estudo de viabilidade.

 
Comércio Exterior

A Indústria Química – Dimensão e Conceituação segundo as classificações oficiais e não oficiais de atividades e de produtos – Classificação fiscal de produtos. Nomenclatura Comum Mercosul / Sistema Harmonizado – NCM/SH. Operações de comércio exterior, Blocos Econômicos – Estudos dos Capítulos 27 ao 40 da NCM. Metodologia de busca da informação de comércio exterior.

 
– Disciplinas em Programas de Pós-Graduação / Escola de Química – UFRJ:

 
A Indústria Química e o Comércio Exterior Brasileiro

1. A Indústria Química:
– Dimensão e Conceituação segundo as classificações oficiais e não oficiais de atividades e de produtos.
– Classificação fiscal de produtos. Nomenclatura Comum Mercosul/Sistema Harmonizado
– NCM/SH.
2. Operações de comércio exterior, Blocos Econômicos – Estudo dos Capítulos 27 ao 40 da NCM.
3. Barreiras não tarifárias – Metodologia de busca da informação de comércio exterior.

 
Estrutura da Indústria Química

Conceito sobre empresa, indústria, mercado, cadeia produtivas. Classificação de Produtos: Kline American Chemistry Council, etc. Conceitos de Fontes de Matérias- Primas {Produtos Básicos, Produtos Intermediários, Produtos Finais Produtos de Consumo}. Estrutura de Produção, Importação e Exportação dos produtos químicos no Brasil. Destino dos produtos químicos na economia. Principais características dos setores do Complexo Químico: Petróleo Petroquímica, Farmacêutica defensivos agrícolas. Conceitos Tecnologias transversais de Processos químicos, Biotecnologia, Nanotecnologia.

 
Novos Paradigmas da Indústria Química Brasileira: O Impacto da Química Verde na Competitividade no setor

O objetivo principal desta disciplina é propor um aprendizado que associe o conhecimento sobre a indústria química brasileira, ao entendimento dos conceitos sobre A Química Verde, principais players e novas tendências, além de elaborar estudos das janelas de oportunidades para os setores da sucroquímica, da alcoquímicas e da oleoquímica no Brasil. Será abordada também a questão do impacto do REACH (Registration, Evaluation, Authorisation and Restriction of Chemical substances) e do o papel do programa Atuação Responsável da ABIQUIM na competitividade do setor frente a essas novas tendências.

[/zilla_tab] [zilla_tab title=”Mario Sergio O. Castro “]

– Disciplinas na Graduação / Escola de Química – UFRJ:

Gestão Tecnológica e Propriedade Industrial

Caracterização do processo histórico e atual do desenvolvimento tecnológico. A posição dos países, setores industriais e agentes-empresas, universidades e institutos tecnológicos – na geração da C&T. O dilema aparente: aquisição versus geração de tecnologia e as alternativas possíveis. As parcerias tecnológicas nas áreas de fronteira tecnológica. A alavancagem da PeD através de mecanismos fiscais, financeiros e outros. A inovação tecnológica e a inteligência competitiva. O uso dos indicadores de PD&E na gestão estratégica das empresas. Transferência de tecnologia: importância para países desenvolvidos e emergentes como o Brasil, tipos de contratos , visão proativa na aquisição de tecnologia, formas de pagamento e de remessas para o exterior. Propriedade intelectual: características, legislação aplicável, instituições responsáveis no nível internacional e local, benefícios e desvantagens para a empresa e para a sociedade; a utilização do sistema de PI como fonte de informação tecnológica:  metodologias de busca e de  prospecção tecnológica.

 
Gestão Tecnológica

Caracterização do processo de desenvolvimento tecnológico; o papel dos agentes envolvidos na geração de tecnologia. Organização para P&D tecnológicos, transferência de tecnologia, sistema de ciência e tecnologia. Propriedade industrial / sistema internacional de patentes. Aspectos especiais do setor.

 
Avaliação Econômica de Processos Orgânicos

O empreendimento químico. Ciclos da vida de uma tecnologia e de uma planta industrial. Peculiaridades da indústria química orgânica. Estudo do mercado e definição da capacidade da planta. Etapas e eventos na implantação de um projeto. Tipos de estudos e níveis de abordagem. Fluxogramas, bancos e caracterização da planta para efeito de estudo. Estimativas de investimento. Financiamento. Cronogramas físico e financeiro. Custos de produção, variáveis e fixos. Resultados operacionais. Fluxo de caixa integrados do projeto. Avaliação de viabilidade: pontos de quilíbrio, taxa interna de retorno e análise de sensibilidade. Estudo de caso cobrindo todas as etapas de um estudo de viabilidade.

 
Comercialização na Industria Química

Tipologia dos produtos da Indústria Química e regimes de mercado. Elementos de diferenciação: análise da cadeia produtiva, customização do produtos, promoção/propaganda, serviços de assistência técnica, gestão da qualidade, meio-ambiente, saúde e segurança no trabalho (Normas Iso). Estratégias face à concorrência: terceirização da produção/serviços, economia de escopo, produtos substitutos /sucedâneos. Aspectos gerais da comercialização na IQ: internos à empresa, relacionais (clientes externos) e institucionais (impostos, patentes, marcas e outros). Estabelecimento de políticas de preços de produtos químicos em função dos custos do mercado e de regulações governamentais; incentivo à exportação; barreiras tarifárias e não-tarifárias. Métodos de inteligência competitiva: Porter, Swot, Pest, e outros. Distribuição de produtos químicos: embalagens, canais de distribuição, logísticas de transporte. Acompanhamento da evolução dos produtos no mercado (market-share). Globalização e formação de blocos regionais (NAFTA, UE, MERCOSUL e outros) e respectivos reflexos na IQ. Palestras de representantes da indústria.

[/zilla_tab] [/zilla_tabs]

REDES SOCIAIS_