[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

País quer elevar comércio com Colômbia e Peru

Postado por NEITEC em 29/Jul/2015


Objetivo do governo brasileiro é zerar ainda neste ano com os dois países as tarifas de importação para a indústria automobilística

BRASÍLIA – O Brasil pretende firmar acordos com Colômbia e Peru para zerar ainda neste ano as tarifas de importação para o comércio bilateral do setor automotivo.

Em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, disse que a ideia é criar um sistema de cotas que determinará um volume máximo de peças e veículos que poderão ser exportados sem pagar tarifa.
De acordo com o ministro, o governo também começa a reexaminar as taxas cobradas pelo Mercosul no comércio de bens intermediários. A discussão ainda está no início.

Na quarta-feira, em entrevista para anunciar mudanças na política fiscal, os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, incluíram entre as ações para fortalecimento da economia a revisão da tarifa externa comum (TEC) do Mercosul, “com vistas ao aprimoramento da estrutura de proteção efetiva no país e aumento da competitividade da indústria”.

“Há estudos sobre a estrutura tarifária e é algo que se está iniciando uma discussão. Tarifa alta nos insumos pode significar que estou retirando a competitividade dos bens finais”, afirmou Monteiro.

O ministro ressaltou que qualquer revisão na TEC tem de ser feita em acordo com os outros países do bloco. “É preciso rever essa estrutura tarifária, mas com toda a tranquilidade”, completou. A TEC é o imposto de importação cobrado sobre a entrada de produtos de países que não fazem parte do bloco.

Acordos. Monteiro visitou o Peru e a Colômbia nesta semana para negociar uma série de acordos que deverão ser anunciados em visitas da presidente Dilma Rousseff aos dois países neste ano, ainda sem data marcada. Até o fim de 2015, deverão ser feitos ainda entendimentos para redução de tarifas em outros setores, como têxteis, siderúrgicas e máquinas e equipamentos.

Segundo ele, o tamanho das cotas de exportação para o setor automotivo ainda não está definido. Questionado se outras medidas de auxílio para as montadoras poderão ser adotadas, Monteiro disse que o governo está empenhado em fazer com que o setor automotivo possa exportar mais. “Temos condição, temos qualidade e produto de classe mundial e temos o câmbio compensando as desvantagens que o Brasil acumulou nos últimos anos. Está na hora do setor fazer um esforço recuperando mercado e o governo está fazendo sua parte.”

Atualmente, a Colômbia taxa em 16% as exportações das montadoras brasileiras e o Peru em cerca de 6%. Pelo cronograma acordado em 2003, essas tarifas chegariam a zero até 2019.

A estratégia do governo brasileiro, porém, é antecipar a queda dessas tarifas. O Brasil vê grande potencial para peças e veículos automotores nacionais, principalmente na Colômbia. Em 2005, a participação brasileira naquele mercado era de 20% e hoje não passa de 5%.

Monteiro também quer fechar ainda neste ano acordos na áreas de compras públicas. Empresas brasileiras terão tratamento de nacionais ao venderem para governos colombianos e peruanos, e vice-versa. Esse tipo de benefício não é oferecido hoje nem mesmo para as empresas do Mercosul. “Nós temos a liberdade dentro do bloco de fazer acordos em áreas como serviços e compras governamentais. Isso faz parte dessa nova leva de entendimentos que estamos negociando”, acrescentou o ministro.

Com os dois países, também será firmado acordo de investimento, replicando modelo já estabelecido com o México. Serão incluídas regras para solução de controvérsias, mitigação de riscos e modelos de segurança para as negociações com esses países.”É algo para dar maior segurança às empresas que atuam nos dois mercados”, completou Monteiro.

Autor: Lorenna Rodrigues
Fonte: O Estado de São Paulo / Brazilian Pharma Solutions

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_