[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Croda investe em planta de óxido de etileno a partir do etanol

Croda, fabricante de especialidades químicas, planeja investimento de US$170 milhões em sua planta Atlas Point em Delaware, EUA, para converter etanol em óxido de etileno.
Em cerca de 2 anos, Croda pretende começar a converter entre 10 a 14 milhões de litros de etanol por ano em óxido de etileno, abrindo um novo mercado para o etanol norte-americano. O óxido de etileno é o principal produto químico utilizado na produção de agentes tensoativos não iônicos.
Segundo a empresa, esta será a primeira instalação do tipo na América do Norte e uma das três em todo o mundo. A nova unidade também se encaixa nas metas de sustentabilidade da empresa. O site Atlas Point recebe 75% de sua energia de fontes renováveis, incluindo gás de aterro e energia solar.
No geral, os objetivos da Croda para 2015 em suas 18 instalações em todo o mundo são obter 24,4% de sua energia derivadas de fontes renováveis, 100% das suas matérias primas derivadas de óleo de palma provenientes de operações sustentáveis e 65,2% de todas as matérias primas derivadas de fontes renováveis. Quando a empresa iniciar a produção de óxido de etileno a partir de etanol em Delaware, o percentual de matéria prima renovável utilizada pela empresa alcançará 90%.
Croda é produtora líder de surfactantes e emulsificantes, com cerca de metade de sua produção destinada a produtos de consumo e metade para usos industriais. Produtos finais incluem shampoos, loções e produtos de limpeza. Há uma ampla variedade de aplicações industriais, incluindo o Tween 80 e polissorbatos utilizados pela indústria de etanol como auxiliares de extração de óleo de milho.
Segundo a empresa, os clientes estão procurando cada vez mais materiais renováveis e sustentáveis, e as matérias-primas derivadas de fontes não fósseis estão ganhando força.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_