[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Mais incentivos para o aumento do consumo do etanol em 2016

O aumento de preço da gasolina, a volta Cide sobre os derivados de petróleo e reduções de impostos do etanol ocorrido em 2015 contribuíram para incentivar a utilização de etanol como combustível.

Em 2016 outros fatores podem contribuir para aumentar ainda mais a competitividade do etanol em relação à gasolina. Com o atual agravamento da crise fiscal, os Estados optaram pelo aumento de tributos estaduais para tentar recompor as finanças e muitos Estados optaram por alterar no início deste ano o ICMS sobre combustíveis.

Em seis Estados, Alagoas, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Piauí, Pernambuco e Paraíba houve aumento do ICMS sobre a gasolina e redução da alíquota sobre o etanol. Minas Gerais apresenta a maior diferença tributária entre os combustíveis; em 2016 o Estado aumentou a alíquota de ICMS sobre a gasolina de 27% para 29% e reduziu a tributação sobre o etanol, de 19% para 14%.

Tocantins, Rondônia, Rio Grande do Sul e o Distrito Federal aumentaram a alíquota de ICMS sobre a gasolina e também sobre o etanol; o maior aumento foi registrado no Rio Grande do Sul, que alterou a alíquota de ICMS tanto da gasolina quanto do etanol de 25% para 30%. Sergipe e Goiás subiram só a tributação da gasolina; enquanto que a Bahia aumentou somente a alíquota de ICMS sobre o etanol, de 17% para 18%, mantendo a alíquota sobre a gasolina em 28%.

Estas alterações incentivam o consumo do etanol principalmente da região Nordeste, onde o consumo é historicamente baixo, pois cinco dos nove Estados reduziram a tributação sobre o etanol e aumentaram sobre a gasolina.

Além disso, cada vez mais consumidores optam pela utilização do etanol considerando apenas o fato de gastar menos para encher o tanque, desconsiderando a eficiência do combustível que recomenda abastecer com etanol quando a diferença em relação à gasolina for menor que 70%.

No entanto, segundo avaliação da ANP, o mercado brasileiro de etanol está no limite da sua capacidade de produção. Em 2015, a demanda por etanol hidratado bateu recorde, atingindo 17,6 bilhões de litros, um aumento de 37,5% em relação à 2014.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_