[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Nova poliamida desenvolvida a partir de fontes renováveis pode substituir PA 66 na indústria têxtil

As poliamidas (PA) transformaram a indústria de plásticos mundial, com características ímpares como: ótimas propriedades mecânicas, resistência ao impacto e a fadiga, alta temperatura de fusão, baixo coeficiente de atrito, entre outras; estes polímeros ganham destaque no mercado de plásticos de engenharia.

Naturalmente, existem algumas implicações quanto ao seu uso comercial, trata-se do preço agregado ao processo de produção e a sua dificuldade no tingimento. O alto custo de produção é atrelado aos reagentes utilizados, todos ainda produzidos por processos químicos derivados da petroquímica tradicional.

Uma alternativa seria a biossíntese dos reagentes para a produção de uma nova poliamida com preços competitivos e características parecidas a da PA 66, mais utilizada comercialmente. Este material utiliza como reagentes o ácido adípico e o hexametilenodiamina, ambos derivados do hexano através de processos químicos.

Neste panorama, nasce uma promissora e competitiva poliamida sob nome comercial Terryl, ou simplesmente PA 56, desenvolvida pela Cathay Industrial Biotech. Esta resina surge como uma excelente alternativa para a substituição da PA 66 na indústria têxtil.

A exemplo de outros polímeros como: PA 11, PA 610 e PA 10,  o PA 56 também é produzido com matérias-primas de base renovável, porém com a exclusividade de ser o único deles proveniente de açúcares de plantas e não do óleo de ricino, como os demais. O Terryl baseia-se na produção do Nylon 66, mas substitui um dos reagentes derivados do petróleo. A hexametilenodiamina é substituida por um intermediário biossintetizado, a pentametilenodiamina.

Sua estrutura molecular apresenta menores interações intermoleculares de ligações de hidrogênio (consideradas as mais fortes interações) devido a um maior espaçamento entre uma estrutura e outra. Isso reflete diretamente em diversos aspectos físico-químicos do polímero.

Além do preço estimado ser mais competitivo, o Terryl tecido em comparação a melhor PA do mercado, a 66, apresenta melhor recuperação elástica, absorção de umidade e wicking, conforto e capacidade de coloração. Inesperadamente, a PA 56 ainda apresentou melhores propriedades retardantes de chama e anti-estática.

O Terryl apresenta tantas vantagens para a indústria têxtil que, apesar surgir como uma alternativa a PA 6.6, tem potencial suficiente para ser a principal PA utilizada no ramo futuramente.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_