[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Toray está mais perto de produzir PET 100% renovável com p-xileno da Gevo

Gevo anunciou que está fornecendo para-xileno derivado de isobutanol renovável para Toray, um dos principais produtores mundiais de fibras, polímeros e produtos químicos. Para-xileno é a matéria-prima principal para a produção de PTA, principal intermediário para produção da PET.

O outro componente do PET renovável é o monoetilenoglicol (MEG), que já possui uma alternativa renovável. O MEG renovável atualmente é utilizado nas garrafas PET PlantBottle da Coca-Cola. De acordo com a Coca- Cola, a empresa já distribuiu mais de 15 bilhões de PlantBottles desde 2009.

O PET possui o maior mercado global de todas as fibras sintéticas e pode ser utilizado em muitas aplicações, como garrafas para bebidas e fibras têxteis. A capacidade utilizar para-xileno renovável para a produção de PET cria grandes oportunidades de mercado para Gevo e parceiros que desejam garrafas de plástico PET 100% renováveis. Hoje, com o MEG renovável é possível obter PET com 30% de conteúdo renovável apenas.

O para-xileno foi comercializado sob um acordo “offtake” previamente anunciado com a Toray. Toray também prestou assistência para a construção da planta de demonstração de para-xileno da Gevo, na sua biorefinaria em South Hampton Resources, onde a Gevo também produz outros produtos como combustível renovável e iso-octano renovável. Toray espera produzir fibras, fios, e filmes com o PX da Gevo, para avaliação de scale-up e desenvolvimento de mercado.

Gevo também recebeu o apoio da The Coca-Cola Company para o desenvolvimento de sua tecnologia de para-xileno renovável. O apoio foi fornecido através do acordo de desenvolvimento conjunto anunciado anteriormente.

Em maio, Gevo iniciou as operações no modo “side-by-side” com produção simultânea de isobutanol e etanol, na sua planta em Luverne. A empresa também fechou um financiamento com a Whitebox Advisors de aproximadamente US$25,9 milhões. Segundo seu último relatório financeiro, o prejuízo líquido para o primeiro trimestre de 2014 foi de US$12,0 milhões em comparação com US$18,4 milhões no mesmo período em 2013.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_