[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Total e Amyris comercializam bioquerosene produzido com farneseno

Total, um dos líderes mundiais em energia, e Amyris, empresa líder em produtos renováveis, iniciam a comercialização de um bioquerosene produzido com o farneseno derivado de cana-de-açúcar da Amyris. A comercialização foi anunciada após a publicação da revisão da norma desenvolvida pelo Comitê ASTM, sobre produtos petrolíferos, combustíveis líquidos e lubrificantes, que agora inclui o uso de farneseno renovável como um componente de mistura nos combustíveis para a aviação comercial. O farneseno é um hidrocarboneto líquido, de cadeia longa e ramificada, que é usado como precursor para inúmeras aplicações, desde produtos químicos especiais a combustíveis de alta performance.

Esta última versão da norma permite que um combustível renovável derivado de biomassa, possa ser adicionado na proporção de até 10% ao querosene de aviação de origem fóssil, com o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa. O bioquerosene de aviação desenvolvido em parceria pela Total e Amyris atende aos rigorosos padrões de desempenho estabelecidos para Jet A/A1, padrões equivalentes ao QAV-A1 segundo resolução ANP 20/2012, utilizados pela indústria global de aviação comercial.

Como um dos maiores fornecedores de querosene de aviação no mundo, o objetivo da Total é oferecer inovação e tecnologia de ponta para as companhias aéreas atingirem suas metas de sustentabilidade. Amyris e Total pretendem atender ao mercado de aviação comercial mundial. A conformidade com a norma permite que Total e Amyris avancem nas negociações com várias das principais companhias aéreas do mundo, que planejam voos comerciais utilizando combustíveis renováveis, como a GOL, que planeja iniciar em breve suas operações regulares no Brasil utilizado o combustível renovável, reiterando sua meta de consumir no mínimo 1% de biocombustíveis em 2016.

A aprovação do padrão ASTM envolveu uma avaliação completa em toda a cadeia da produção ao consumo, para verificar e garantir que o combustível renovável é compatível com as aeronaves, componentes de motores e demais sistemas. As avaliações incluem diversos testes de motor e voos experimentais. Segundo as empresas, o bioquerosene tem o potencial de proporcionar uma redução significativa dos gases de efeito estufa aliado a um excelente desempenho. O combustível renovável, além de atender os rígidos parâmetros de especificação, mostrou vantagens significativas em alguns quesitos como o ponto de congelamento, alta estabilidade térmica e alto poder calorífico. A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) já sinalizou que vai atualizar suas resoluções para combustíveis de aviação de forma a incluir este combustível entre as demais opções de combustíveis renováveis especificadas no país.

Amyris e Total já tomaram medidas para garantir que o combustível seja produzido atendendo os critérios de sustentabilidade atuais. Em maio, a Amyris concluiu o processo de certificação pelos padrões da Roundtable on Sustainable Biomaterials (RSB), que certificou a primeira planta de produção de farneseno, precursor do bioquerosene, em Brotas no interior de São Paulo.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_