[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

AkzoNobel investe na utilização de resíduos para produção de químicos

AkzoNobel e parceiros holandeses trabalham com a canadense Enerkem para explorar o uso de resíduos como matéria-prima para a produção de produtos químicos e o para o desenvolvimento de instalações. A tecnologia de propriedade da Enerkem converte resíduos em gás de síntese, uma matéria-prima comum para produtos como metanol e amônia. A tecnologia da Enerkem converte o carbono contido em resíduos não-recicláveis em produtos químicos renováveis, que possuem inúmeras aplicações potenciais.

Com a crescente preocupação sobre a escassez de matéria-prima e energia, AkzoNobel percebe que a necessidade de inovar e desenvolver soluções menos tradicionais está se tornando cada vez mais importante e investe em parcerias estratégicas com foco na substituição de matérias-primas não-renováveis.

Os parceiros iniciais da AkzoNobel e Enerkem são a agência de investimento e desenvolvimento da Holanda do Norte (NOM), Groningen Seaports, Rotterdam Partners e InnovationQuarter. Os parceiros planejam testar vários fluxos de resíduos locais, incluindo resíduos urbanos e agrícolas.

O objetivo da parceria é criar um grupo onde todos fazem uma contribuição, as empresas de gestão de resíduos colaboram com o fornecimento da matéria-prima e com o processamento dos resíduos, as instituições financeiras garantem o financiamento, as empresas investem na utilização da matéria-prima para produção dos produtos químicos e o grupo espera também apoio do governo. Segundo a Enerkem, o processo de conversão é complementar às tecnologias existentes como a reciclagem e digestão anaeróbia e o gás de síntese gerado a partir dos resíduos além de ser uma matéria-prima sustentável também é rentável para a indústria química.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_