[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Basf planeja investimentos pesados para produção de propeno nos EUA

A gigante alemã Basf anunciou estar avaliando um novo investimento em escala mundial de propeno na Costa do Golfo dos EUA. A projeto de prevê a produção de propeno a partir de metano, componente mais abundante do gas natural, o que permitirá a Basf tirar proveito dos baixos preços do gás ocasionado pela ascenção do shale gas. Se o projeto avançar, será o maior investimento da Basf em uma única unidade produtiva, atualmente o maior projeto da Basf no valor de € 1 bilhão é a unidade de produção de tolueno diisocianato que está em construção em Ludwigshafen na Alemanha. O projeto dos EUA deverá ser maior, mas os detalhes da planta incluindo capacidade custos de capital e localização específica ainda estão sob avaliação, mas existem planos para que a unidade entre em operação em 2019. Atualmente a Basf produz propileno nos EUA em Port Arthur, no Texas em uma joint venture com a Total, que detém 40%.
A Basf divulgou a notícia juntamente com os resultados financeiros do 1T14, onde apresentou fortes vendas globais de € 19,5 bilhões, queda de 1,1% frente ao 1T13, além de aumento de 2% no lucro líquido. O lucro ante juros e impostos (EBIT) caiu 3,3%, devido ao declínio das moedas estrangeiras frente ao euro. O EBITDA aumentou para € 3 bilhões.
As vendas de produtos químicos se mantiveram estáveis no 1T14, enquanto o EBITDA teve queda de 7%, as vendas de divisão de materiais e soluções funcionais, que inclui produtos para o setor automotivo, bem como plásticos de engenharia, registrou vendas de € 4,24 bilhões e crescimento de 1,3%, com aumento de 20% no EBITDA . Os produtos de alta performance tiveram ligeira queda nas vendas, mas o EBITDA apresentou alta de 7,6%, as vendas de petróleo e gás caíram 8,2% mas o EBITDA apresentou alta de 4%.
A Basf prevê que para o ano de 2014 a economia global tenha um crescimento um pouco mais rápido do que no ano de 2013, esperando um bom desemprenho apesar da evolução cambial desfavorável.

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_