[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Braskem divulga resultados do 1T14

A Braskem divulgou seus resultados do 1T14, indicando que apesar da boa perspectiva de crescimento da economia global, a expectativa para o mercado nacional é de uma evolução mais lenta para 2014. A empresa alienou os ativos integrantes da Unidade de Tratamento de Água (UTA) localizados no polo de Triunfo, no valor de R$ 315 milhões, representando um ganho de R$ 277 milhões no trimestre.

No trimestre a demanda brasileira de resinas PE, PP e PVC chegou a 1,3 milhões de toneladas, patamar similar ao do 4T13, uma parte do bom desempenho do trimestre pode estar relacionado à antecipação da compra de resinas, a fim de atender a demanda no período de Copa do Mundo, segundo a empresa. As vendas no trimestre totalizaram 901 mil toneladas, queda de 2% se comparado com o 1T13. No mercado internacional as vendas totalizaram 460 mil toneladas, alta de 7% em relação ao 1T13, que é explicada pela recuperação da demanda dos mercados europeus e norte americano. E o lucro líquido foi de R$ 396 milhões, impulsionado pelo desempenho operacional do trimestre, bem como pela alienação da UTA.

A taxa média de utilização dos crackers no 1T14 foi de 85%, o valor é reflexo das paradas programadas para manutenção na principal linha de produção do cracker de Triunfo e devido a problemas operacionais nas unidades do Rio de Janeiro e São Paulo. O EBITDA registrado pela companhia para o trimestre foi de R$ 1.637 milhões, ou US$ 573 milhões, os principais fatores contribuintes foram à sustentação dos patamares dos spreads no mercado internacional e a depreciação do real em 4% na comparação o 4T13 e o ganho de R$ 277 milhões na alienação da UTA.

Os investimentos realizados pela Braskem no 1T14 totalizaram R$ 763 milhões, sendo cerca de 45% direcionado a construção do Complexo petroquímico integrado no México, onde é esperado o start-up para o 2° semestre de 2015.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_