[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Dow adapta plantas de Styrofoam no Japão para novo retardante de chama

A Dow Chemical Company adaptou a produção de Styrofoam, espuma de poliestireno extrudado (XPS), para a utilização de uma nova tecnologia de retardante de chamas polimérico. A Dow Kakoh, uma joint-venture da Dow Building Solutions, já começou inclusive a produção do Styrofoam com esse novo retardante de chama (FR).

A nova tecnologia de retardante de chama foi desenvolvida no intuito de substituir o amplamente utilizado HBCD – hexabromociclododecano, que é considerado um retardante poluente com possíveis riscos para a saúde humana. Alternativas mais seguras ao uso do HBCD são procuradas há tempos, principalmente em aplicações na construção civil.. A Dow já havia introduzido novas substâncias mais sustentáveis em 2011, ganhando vários prêmios de destaque por inovação.

Segundo Takahiro Sugiyama, presidente da Dow Kakoh, o produto foi bastante testado e manteve a performance de retardante de chama enquanto apresentava esse perfil mais sustentável. Ainda, os materiais para a indústria da construção civil contendo esse novo retardante serão disponíveis para comércio em maio de 2014, indo de acordo com as normas japonesas de banir o uso do HBCD.

Além das unidades no Japão, O Styrofoam XPS é produzido na América do Norte, Europa e Oriente Médio. A próxima etapa é a conversão das plantas localizadas na Europa e na América do Norte.

A Dow também disponibilizou licenças de utilização da nova tecnologia para outras indústrias de espumas isolantes de poliestireno extrudado (XPS) e poliestireno expandido (EPS). Foram licenciadas três empresas: Chemtura Inc., ICL Industrial Products e Albemarle Corp.

Este aditivo mais sustentável oferece uma solução segura contra incêndio para espumas de XPS e EPS, permitindo que esses materiais de isolamento térmico continuem atendendo às crescentes demandas de regulamentações globais de eficiência energética e de construção sustentável.

 

Fonte: MaxiQuim – www.maxiquim.com.br

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_