[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Exploração de petróleo e gás em Vaca Muerta em declínio

Postado por NEITEC em 24/Mai/2016


YPF e Chevron, empresas petrolíferas que possuem desenvolvimento de extração não convencionais na Argentina, reduziram drasticamente as suas atividades em Vaca Muerta, na Bacia de Neuquén. Vaca Muerta é uma formação geológica datada da idade do Jurássico, que é conhecida por abrigar rochas responsáveis por um grande acumulo de óleo e gás de xisto.

Segundo informações de pessoas próximas a produção, somente estão ativas seis unidades de perfuração, ou seja, apenas a metade das unidades que estavam trabalhando em dezembro do ano passado. Esse declínio é reflexo direto dos investimentos no local, que nesse ano serão cerca de U$S 600 milhões, um terço se comparados aos de 2013. A baixa nos investimentos se deve principalmente a situação do preço atual do petróleo, que é negociado a menos de US$ 50 o barril. Essa conjuntura era inimaginável a três anos atrás, época em que se começou a exploração de petróleo não convencional na Argentina, e complica a disponibilidade de capital para investimentos por partes das empresas.

Outro fator que demonstra claramente a situação de declínio de investimentos no local é a quantidade de sondas de perfuração trabalhando: YPF-Chevron foi para campo com 25 sondas, mas hoje funcionam com somente um quarto desse valor.

De acordo com a YPF, as decisões de investimento em relação ao projeto desenvolvido com a Chevron no local são tomadas em conjunto, e que o nível de atividades desenvolvidas no local é revisado trimestralmente e depende de vários fatores, incluindo a demanda, custos, preços e produtividade. Já a Chevron preferiu não se pronunciar, dizendo que não comenta rumores de mercado.

Por uma série de fatores, que incluem a importação de petróleo bruto da Nigéria autorizada pelo governo, a Chevron, assim como outras produtoras, está deixando de colocar a sua produção de petróleo neuquino no mercado norte americano. A situação de excesso de oferta acaba colocando pressão sobre o preço doméstico do barril e, portanto, acaba afetando as expectativas de investimentos. A manutenção desses investimentos em Vaca Muerta só é possível de se manter com um preço do barril girando em torno de US$70, estima alguns investidores.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_