[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Lanxess desenvolve novo composto de PBT para veículos elétricos

A LANXESS, em parceria com a fabricante alemã de peças automotivas HELLA, desenvolveu um compósito termoplástico de PBT para retardamento de chamas, aplicadas em superfícies de proteção para sistemas de baterias para veículos elétricos. O material apresenta encolhimento extremamente baixo, aliado a um alto retardamento da chama.

O produto, Pocan AF4130, é uma blenda de tereftalato de polibutileno (PBT) e éster acrílico-estireno-acrilonitrilo (ASA), contendo 30% em peso de fibras de vidro e possui recobrimento à base de halogênio. A HELLA está usando o compósito para fabricar caixas aplicados em unidades de gerenciamento de bateria (BMU) e unidades de monitoramento de célula (CMUs) para um fabricante alemão de sistemas de bateria. As peças estão atualmente em uso no sistema de bateria de íons de lítio de um carro compacto alemão.

As superfícies de proteção da BMU e das CMUs possuem superfícies grandes e planas, bem como geometrias complexas ao longo das bordas e no interior. Graças a um design inovador, eles podem ser moldados por injeção de forma econômica como componentes únicos. Uma vez que os pinos de contato para os conectores não devem dobrar quando as caixas são montadas nas placas de circuito impresso, as tolerâncias para o espaçamento entre as montagens do conector e os recortes para os pinos devem ser extremamente baixas. Para o Chefe de Segmentos de Vendas E & E na divisão de Materiais de Alta Performance (HPM) da LANXESS, Marc Marbach, essa precisão é exatamente o ponto que faz com que o uso do compósito compense. Marbach também destaca que, em função dos excelentes resultados obtidos nos testes elétricos e de proteção a incêndio, o novo material tem uma boa chance de também ser utilizado para componentes elétricos, como plugues fotovoltaicos e tomadas.

De acordo com a LANXESS, as superfícies feitas com o termoplástico são de baixa emissão, como demonstrado pelas análises de dessorção térmica realizadas de acordo com a VDA 278 (Associação Alemã da Indústria Automotiva). Isso o torna adequado para muitas aplicações de veículos que exigem emissões muito voláteis e condensáveis, como componentes para o interior automotivo. A mistura também é altamente resistente aos fluidos tipicamente utilizados nos veículos a motor, como combustíveis, óleos, produtos de limpeza e produtos de cuidados automóveis, conforme resultados de extensos testes de armazenamento de mídia realizados pela LANXESS para HELLA, de acordo com a especificação de fornecimento LV 124, usada por muitos fabricantes automotivos. Também apresenta boa resistência a um eletrólito amplamente utilizado em baterias de íon de lítio. Esse último teste correspondente foi realizado de acordo com a norma DIN EN 22088-3. Marbach relata que nenhuma fissura foi identificada nas amostras, mesmo após 1.000 horas de exposição.

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_