[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Petrobras reafirma construção de refinaria no Maranhão

Postado por NEITEC em 16/Jul/2012


   A presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, reafirmou nesta terça-feira, em reunião com a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, que a estatal irá construir no Estado a refinaria Premium I.

   A Premium I foi uma das três refinarias colocadas sob avaliação no novo plano de negócios da Petrobras, que vai de 2012 a 2016. A Premium II, no Ceará, mais a segunda etapa do Comperj, no Rio, também estão nessa situação.

   Os projetos foram colocados sob avaliação, mas apenas porque não ficarão prontos antes de 2017, e o plano apresentado vai até 2016, segundo a Petrobras.

   Segundo Graça Foster, como é chamada a presidente da estatal, no período do plano de negócios 2012-2016 estão contemplados recursos para a fase de implantação do projeto da Premium I.

   “A refinaria é importante para nós, acreditamos em sua viabilidade e devemos demonstrá-la”, disse a presidente a estatal em nota.

  Atualmente, a Petrobras trabalha para adequar o projeto aos parâmetros internacionais de preço, prazo e uso de tecnologia padronizada.

    A previsão de conclusão da obra é em meados de 2018, podendo ser antecipada para o segundo semestre de 2017.

    Para a presidente da estatal, a Premium I é essencial para que a Petrobras possa atender à crescente demanda por combustíveis no País.

   “Buscamos o equilíbrio no balanço entre oferta e demanda de derivados, e para isso é fundamental a construção da refinaria do Maranhão”, afirmou Graça Foster em comunicado.

    A refinaria Premium I terá dois trens independentes de refino, cada um deles com capacidade de processamento de 300 mil barris de petróleo por dia.

  O principal produto da Premium I será diesel, com mais de 55 por cento da capacidade de produção.

Fonte: Revista Exame

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_