[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Solvay planeja JV com empresa árabe para produção de compósitos da indústria aeroespacial

Postado por NEITEC em 16/Jul/2016


A Mubadala, a empresa de investimentos de propriedade do governo de Abu Dhabi, anunciou uma joint venture com a Solvay  para a produção de materiais compósitos fundamentais para a indústria aeroespacial, pela primeira vez nos Emirados Árabes.

A joint venture, ainda sem nome, será estabelecida através da Strata, empresa fabricante de componentes de aeronaves e subsidiária da Mubadala. Ela será localizada na Nibras Al Ain Aerospace Par, e o início das atividades é esperado para 2021.

De acordo com a Mubadala, a joint venture foi premiada com seu primeiro contrato de fornecimento de matérias-primas pela Boeing, reforçando a empresa e o relacionamento de longa data da Solvay com a maior empresa aeroespacial do mundo.

Comentando sobre a joint venture, Homaid Al Shimmari, CEO de serviços aeroespaciais e engenharia na Mubadala, disse que a parceria com a Solvay Group, uma empresa líder em materiais químicos avançados, fortalece a posição da Mubadala como driver para criar uma fabricação avançada aeroespacial dos Emirados Árabes, além de possibilitar uma nova demanda de empregos para Engenheiros no país, fora os já contratados pela Strata.

Segundo Jean-Pierre Clamadieu, CEO da Solvay, a parceria com a Mubadala neste projeto, essencial no apoio aos planos de crescimento da Boeing, mostra a capacidade tecnológica da Solvay na produção de compósitos aeroespaciais avançados, incluindo aplicações em estrutura primárias. O contrato com a Boeing envolve o uso do material na produção da sua nova linha de aeronaves 777X, que está alinhada com as demandas de menor peso nas aeronaves, que resultará em um menor custo para empresa e consequentemente os passageiros, e em uma redução dos valores de emissão de CO2 na atmosfera.

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_