[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Brasil e Argentina planejam parcerias em empreendedorismo e luz síncroton

Brasil e Argentina acertaram uma série de compromissos na área de ciência tecnologia e inovação (CT&I). A cooperação bilateral será ampliada com o lançamento de uma chamada pública conjunta para apoiar startups. O edital tem previsão de investimentos na ordem de US$ 500 mil.

O acordo foi selado em reunião do ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, com o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva da Argentina, Lino Barañao. O programa irá incubar e acelerar cinco empresas nascentes de base tecnológica em cada país.

Durante visita a Buenos Aires, Pansera colocou à disposição da comunidade científica argentina dois importantes projetos brasileiros: o supercomputador Santos Dumont e o acelerador Sirius, fonte de luz síncrotron de quarta geração.

O Sirius, nova fonte de luz síncrotron, está no centro da parceria estratégica entre Brasil e Argentina em ciência, tecnologia e inovação. Hoje, 14% dos usuários externos do síncroton brasileiro, o único da América do Sul, são argentinos.

Com a construção da luz síncrotron de quarta geração, o interesse de pesquisadores argentinos cresceu ainda mais. “O Sirius desperta na comunidade cientifica internacional um interesse extraordinário. E há muitas possibilidades de intensificar a cooperação já existente com os argentinos”, explicou o diretor do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), Carlos Américo Pacheco.

Segundo ele, a cooperação envolvendo o Sirius pode incluir a participação de empresas argentinas no projeto e o lançamento de editais conjuntos para financiamento de pesquisas dos dois países.

O Sirius está em construção numa área de 150 mil metros quadrados (m²) no CNPEM, em Campinas (SP), com expectativa de elevar a competitividade da ciência brasileira. A estrutura inclui um conjunto de aceleradores de elétrons e estações experimentais, chamadas de linhas de luz. Com 19% das obras concluídas, a construção de toda a estrutura deve terminar em 2018.

Supercomputador

O Laboratório Nacional de Computação Científica (LNNC), responsável pela operação e gestão supercomputador, criou uma subcomissão mista para estabelecer prioridades de utilização da máquina e montar um edital para selecionar grupos de pesquisas brasileiros e de outros países para compartilhar o Santos Dumont.

(Agência Gestão CT&I, com informações do MCTI)

Fonte: Agência CT&I

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_