[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Competitividade a partir de inovação e sustentabilidade

Postado por NEITEC em 21/Jun/2015


Depois de 18 meses de trabalho, a sensação de dever cumprido e bons resultados na mesa. Este foi o espírito que marcou o evento de conclusão do primeiro ciclo de atividades do projeto Inovação e Sustentabilidade nas Cadeias Globais de Valor (ICV Global), realizado no dia 19 de maio passado no Auditório Itaú, na FGV-SP.

Iniciativa da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e do Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP (GVces), o projeto ICV Global procura apoiar as pequenas e médias empresas (PME) a se internacionalizarem a partir de atributos de inovação e sustentabilidade em seus produtos e serviços. A ideia é promover uma marca Brasil sustentável e competitiva no mercado internacional em diferentes setores econômicos.

Neste primeiro ciclo de atividades, o projeto ICV Global se desdobrou em duas frentes de trabalho. Na primeira, selecionou dez PMEs com potencial de internacionalização e atributos de sustentabilidade e inovação, capacitando-as para entrar em mercados externos de interesse e apoiando-as na construção de seus planos de ação e no marketing e branding de seus produtos e serviços. Já na segunda frente, a equipe do GVces e da Apex-Brasil trabalhou com empresas presentes na cadeia de valor de duas grandes empresas, Beraca e Braskem, de forma a posicionar essas cadeias no mercado internacional e fortalecer a atuação dessas grandes empresas como plataformas de internacionalização com foco em inovação e sustentabilidade.

“Queremos apoiar as empresas brasileiras a se internacionalizarem com atributos de inovação e sustentabilidade, a partir de uma decisão estratégica da empresa, e não apenas por causa de uma oportunidade pontual. Este projeto dá uma contribuição pequena, mas com enorme potencial de crescimento, para que coloquemos o Brasil na liderança de um processo de desenvolvimento sustentável, a partir de uma marca Brasil compatível com as nossas expectativas no mercado global”, diz Paulo Branco, vice coordenador do GVces.

“Dentre os aprendizados, do ponto de vista da empresa cliente da Apex-Brasil, este projeto deixou clara a importância do planejamento, do marketing, de como identificar e diferenciar nossos produtos, como chamar a atenção para nossos diferenciais de inovação e competitividade, como melhorar nosso produto para o mercado externo”, completa  Adriana Rodrigues, coordenadora de competitividade da Apex-Brasil

 

DO BRASIL PARA O MUNDO: REFLEXÕES E CASOS DO 1º CICLO DE ICV GLOBAL

Além de abrir espaço para a reflexão das empresas sobre o projeto, o evento promoveu o lançamento da publicação Do Brasil para o mundo: inovação e sustentabilidade nas cadeias globais de valor. Ela sistematiza os resultados de 18 meses de trabalho intenso do GVces, da Apex-Brasil e das empresas que compartilharam essa trajetória. Escrita em colaboração com os jornalistas Sérgio Adeodato e Martha San Juan França, esta obra mostra como este projeto atuou para fomentar soluções potencialmente exportadoras e contribuir para o Brasil assumir um papel de liderança no campo do desenvolvimento sustentável.

 

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INOVADORAS, SUSTENTÁVEIS E INTERNACIONALIZADAS

“Neste projeto, fomos expostos aos desafios, reinventamos a empresa, estamos saindo do casulo e queremos virar borboleta.” – Francisco Biazini, sócio diretor da REDERESÍDUOS

Representantes de cinco das dez MPEs participantes do 1º ciclo do projeto ICV Global compartilharam suas impressões, aprendizados e perspectivas futuras com o público, e deixaram claro o impacto positivo que este projeto teve na gestão e nos negócios dessas empresas nos últimos 18 meses.

Um desafio frequente em quase todas as empresas participantes foi a de como comunicar o valor do seu produto e serviço para o mercado de forma simples e que fizesse o consumidor enxergar o seu diferencial no mercado. Muitas vezes, o mercado não conseguia identificar esse diferencial, o que era um problema para quem buscava internacionalizar seus negócios.

Muitas PMEs foram desafiadas a mudar profundamente seus negócios e seus modelos de gestão, de forma a viabilizar estratégias efetivas de internacionalização. Mais do que querer exportar, essas empresas foram desafiadas a desenvolver uma cultura de exportação, que olha não apenas para oportunidades pontuais de negócios no exterior, mas para uma estratégia maior de inserção da empresa e da sua marca em mercados externos importantes.

Para isso, elas tiveram um acompanhamento próximo das equipes do GVces e da Apex-Brasil, que as apoiaram desde o desenvolvimento do plano de internacionalização até a comunicação dos seus diferenciais para públicos de interesse, cultivando uma relação colaborativa entre as empresas membros do projeto. Em alguns casos, os resultados já apareceram durante a rodada de negócios, que aconteceu durante um evento promovido pela Apex-Brasil em novembro passado, com negócios sendo firmados pelas empresas do projeto com parceiros internacionais.

“Essa experiência com a Apex-Brasil e o GVces nos economizou três a quatro anos de aprendizado e experiência! O projeto ICV Global nos orientou e nos possibilitou formatar claramente nossa ação de internacionalização e agilizá-la.” -Samy Menasce, sócio proprietário da Brasil Ozônio

 

CADEIAS DE VALOR ORIENTADAS PARA A SUSTENTABILIDADE E PREPARADAS PARA A COMPETIÇÃO INTERNACIONAL

“Biodiversidade é a chave de muitos dos desafios que temos enquanto indústria. Como a gente promove isso, através desse projeto, talvez seja a chave para o Brasil começar a ser um exportador de inovação e sustentabilidade. Mais do que um tema acessório, biodiversidade agrega valor e diferencia o seu produto.” – Thiago Terada, gerente de sustentabilidade da Beraca

“Normalmente, os produtos brasileiros têm uma pegada de carbono menor do que similares de oitros países, por causa da nossa matriz energética e do nível mais novo da nossa tecnologia. Temos condições para ocupar mercados que valorizam a sustentabilidade, mas precisamos entender esse assunto e nos preparar para isso. Investir na inovação e incentivar a exportação são caminhos importantes para isso.” – Jorge Soto, diretor de desenvolvimento sustentável da Braskem

Grandes empresas, com negócios consolidados no mercado nacional e internacional, e reconhecidas por suas práticas de inovação e sustentabilidade, podem ser importantes plataformas de internacionalização de cadeias de valor com atributos sustentáveis. Por isso, o projeto ICV Global convidou duas de suas empresas-âncora, a Beraca e a Braskem, para envolverem seus fornecedores e clientes diretos em atividades de capacitação e treinamento. O objetivo era preparar essas empresas para competir no mercado internacional aproveitando seus diferenciais de inovação e sustentabilidade.

Para essas empresas, o Brasil possui diferenciais competitivos que podem ser decisivos num mundo cada vez mais preocupados com produtos e serviços inovadores e sustentáveis. Projetos como o ICV Global impulsionam as empresas brasileiras a aproveitar esse potencial de diferenciação em inovação e sustentabilidade na sua inserção nos mercados internacionais.

“Este projeto nos trouxe uma estrutura e uma metodologia que nos ajudou a construir um argumento de venda de fácil compreensão para o meu cliente e para os demais stakeholders. Aprendemos não apenas sobre o que temos que fazer para melhorar nossa inserção, mas também como fazer isso, a partir de um plano de ação.” – Sergio Scanavini, diretor comercial da Cartonale

 

DO BRASIL PARA O MUNDO

“As empresas que vivenciaram esta trajetória estão mais maduras em termos de gestão, de reconhecimento do seu potencial, algo decisivo não apenas para a internacionalização, mas também para melhorar sua competitividade no mercado nacional. E já temos resultados concretos, com negócios sendo feitos!” – Paulo Branco, vice coordenador do GVces

Além do lançamento da publicação, o evento também deu espaço para que as PMEs do projeto pudessem apresentar seus casos diretamente para o público, em estandes montados nas áreas internas do complexo do Auditório Itaú. A troca direta permitiu fortalecer a rede dessas empresas e pôr em prática, mais uma vez, a apresentação dos atributos de sustentabilidade. Conheça melhor esses casos aqui.

Saiba mais sobre a trajetória do projeto ICV Global em seu 1º ciclo de atividades aqui.

 

Fonte: Portal Apex-Brasil

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_