[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

China investe no gás de xisto como alternativa

A China possui a maior demanda energética mundial e é sabido que sua dependência no carvão tem causado níveis de poluição atmosférica extremamente elevados. Buscando reverter a situação, sob a promessa de voltar a ter céus mais limpos, o governo chinês volta sua atenção para combustíveis mais limpos, como o gás natural e o gás de xisto. O consumo de gás natural cresceu muito desde o ano passado, mas enfrenta barreiras com o alto custo de produção, especialmente na extração de metano no Mar do Sul da China.

 

Assim, nos últimos anos, a estatal chinesa de petróleo e energia Sinopec também tem visto o gás de xisto como alternativa. Nesta última quarta-feira, foi divulgado que o primeiro campo de extração de gás de xisto em larga escala, em Xinhua, possui uma reserva comprovada de mais de 600 bilhões de metros cúbicos, um número relevante pois empreendimentos em larga escala são complicados quando se trata de gás de xisto.

 

Até o momento foram produzidos pouco menos de 12 bilhões de metros cúbicos do campo, mas a Sinopec espera que até o final deste ano a capacidade de exploração se eleve a um valor anual de 10 bilhões.

 

Fonte: Maxiquim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_