[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

ChinaChem compra 26% da Pirelli e vai fechar seu capital

Postado por NEITEC em 01/Abr/2015


A China National Chemical Corporation (ChinaChem) chegou a um acordo com os acionistas controladores da fabricante italiana de pneus Pirelli e assumiu 26,2% do capital da empresa. Os chineses vão pagar US$ 7,7 bilhões pela participação da Cam Finanziaria (Camfin), avaliando a ação da companhia em US$ 15. O próximo passo é fazer uma oferta pelo restante das ações e fechar o capital da companhia na bolsa de Milão. As ações da Pirelli fecharam a sexta-feira cotadas a € 15,23.

Marco Tronchetti Provera, acionista e executivo-chefe da Pirelli, fechou o acordo com executivos da ChinaChem ontem, segundo fontes próximas da negociação. A confirmação do transação é esperada para hoje e Provera vai permanecer no cargo.

O acordo fechado no fim de semana é o mais recente de uma série de aquisições de investidores chineses na Itália E é também a maior operação do tipo até agora. A ChinaChem já fez aquisições na Austrália, França e Noruega.

Os acionistas da Camfin – que incluem Provera, a petrolífera russa Rosneft e os bancos italianos UniCredit e Intesa Sanpaolo – junto com a ChinaChem pretendem criar uma nova holding. Essa holding vai fazer uma oferta de aquisição do restante das ações da fabricante de pneus, também por € 15 a ação – abaixo do valor de fechamento da bolsa na sexta-feira. Se a oferta tiver sucesso, o plano é fechar o capital da companhia.

O acordo vai significar que a Rosneft, que atualmente é alvo de sanções dos Estados Unidos por sua intervenção na Ucrânia, já não será o maior acionista da companhia italiana, uma situação que se tornou desconfortável para a petroleira em meio a tensões crescentes entre a Europa e a Rússia sobre a Ucrânia.

Fonte: Valor Econômico – Rachel Sanderson / Financial Times, Milão

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_