[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Como os aplicativos estão prometendo remodelar os cuidados de saúde

Dois executivos de uma start-up digital de gestão de diabetes discutem a importância de um foco paciente e as formas que a inovação está moldando a indústria

Nos últimos anos, aplicativos de acompanhamento de saúde que ajudam os pacientes a gerenciar doenças crônicas, como diabetes e asma, surgiram como um segmento de crescimento rápido e, potencialmente, perturbador para mercado de saúde. Aplicatios complementares também oferecem uma maneira de coletar grandes quantidades de dados do paciente do mundo real que podem ser usados com o propósito de melhorar tratamento e desenvolvimento de remédios. Frank Westermann, CEO e co-fundador, e Anton Kittelberger, o COO, falam com Stefan Biesdorf, da McKinsey, sobre a promessa de aplicativos para pacientes na remodelação dos cuidados de saúde.

 

McKinsey: No ambiente atual, os aplicativos podem ser criados por qualquer pessoa com uma boa ideia e algumas habilidades de programação. Quando as barreiras à entrada são baixas, como você se diferencia da concorrência nas soluções digitais de diabetes?

Frank Westermann: Sempre depende do que exatamente você quer fazer. Regulamentação é certamente uma barreira de entrada para quem não está familiarizado com ele. Se você quiser estar ativo no espaço de saúde digital e ir além de um aplicativo de bem-estar ou fitness, você enfrenta uma paisagem regulatória complexa que requer investimento significativo para poder navegar. Além disso, já existe uma forte concorrência na saúde digital, e exige um posicionamento preciso e uma vantagem competitiva bem definida se você quiser desenvolver tração com um aplicativo de saúde.

Na mySugr, acreditamos firmemente que a inovação na saúde digital será impulsionada pelo paciente e por soluções centradas no paciente. Nós nos concentramos nos pacientes desde o início, enquanto muitos de nossos concorrentes almejam médicos, hospitais ou soluções para o setor de saúde. Nosso foco no paciente é enraizado em nossa história e compõe a empresa: Anton e eu, bem como 30 por cento dos nossos funcionários, são diabéticos. Isso nos permite trabalhar para criar algo que os pacientes realmente precisam e querem usar, porque nós também testamos nós mesmos.

 

McKinsey: Você é conhecido por ter uma marca legal – o monstro mySugr -, bem como por ser pouco convencional e focado na facilidade de uso e gamification. Como isso aconteceu?

Anton Kittelberger: Quando começamos, a transferência automática de valores de glicose para o aplicativo era difícil e, portanto, tornamos uma prioridade tornar a entrada de dados fácil e divertida para os pacientes. Isso nos ajudou a nos diferenciar. Com a transferência automática de dados agora mais fácil, usamos a gamificação para outros fins em nosso aplicativo, por exemplo, para encorajar os pacientes a se envolverem mais com seus dados de saúde para que possam gerenciar melhor sua condição.

 

Frank Westermann: A gamificação não é um fim em si mesma; Sempre serve a um propósito. A diabetes é uma doença grave, e não estamos procurando banalizá-la.

 

McKinsey: Com sua grande base instalada, você está coletando mais e mais dados. Como você está pensando em usar esses dados para influenciar os resultados de saúde?

Frank Westermann: Estamos no início de uma viagem. À medida que os dados dos dispositivos conectados aumentam em volume e qualidade ea nuvem de dados fica mais densa, mais oportunidades estão se abrindo para o reconhecimento de padrões. Por exemplo, podemos usar dados gerados pela monitorização contínua da glicose para prever os níveis de açúcar no sangue dos pacientes durante três horas. Isso tem um grande impacto e permite que os pacientes sejam melhor equipados para gerenciar sua doença. Também estamos começando a usar esses dados para fornecer informações aos nossos treinadores.

 

McKinsey: Você pode medir o impacto de seu aplicativo?

Frank Westermann: Nossos dados de usuário mostram que quanto mais o aplicativo é usado, melhor o resultado do paciente. Também podemos ver quais os recursos que usam o aplicativo. Nós estamos olhando para solidificar os nossos resultados informações através de um ensaio clínico centrado em dois parâmetros: HbA1c valor (hemoglobina glicada) e tempo no intervalo. Estamos analisando como o uso dos pacientes do aplicativo está relacionado com a redução do valor de HbA1c e como fazê-los ficar na faixa de 6,5 a 7,0 por cento por mais tempo para quantificar os resultados. Níveis mais elevados de HbA1c estão associados a custos significativamente mais elevados de hospitalização em doentes diabéticos.

 

McKinsey: Como o seu modelo de negócio está evoluindo? Você começou como um aplicativo gratuito, mas onde você está agora?

Anton Kittelberger: Nosso modelo de negócios evoluiu. Concentramo-nos no nosso modelo B2C para aumentar a nossa base de utilizadores, com uma versão básica gratuita e uma versão pro baseada em subscrição. A aceitação da versão de assinatura nos ajudou a demonstrar valor e nos tornou mais atraentes para nossos parceiros B2B. Além disso, construímos um negócio sólido com especialistas em diagnósticos, para integrar seus dispositivos e com as empresas farmacêuticas como um canal para educar pacientes e lançar campanhas. Também nos tornamos mais atraentes para os pagadores ao mostrar que o uso dos pacientes pelo nosso aplicativo está associado a um melhor controle e a menos hospitalizações.

McKinsey: Você está planejando trabalhar ativamente com outras partes interessadas da área de saúde?

Frank Westermann: Sim, absolutamente. Nos Estados Unidos, por exemplo, lançamos recentemente um produto de treinamento que o vincula a um educador certificado de diabetes que tem total acesso aos seus dados e pode lhe dar conselhos a qualquer momento. Também estamos procurando formar uma parceria com os pagadores alemães para implementar um programa para educadores de diabetes.

 

McKinsey: Toda indústria está passando por uma onda de digitalização. O que você acha que vai separar os vencedores dos vencidos na tecnologia da saúde?

Anton Kittelberger: Você precisa ficar perto do paciente e melhorar continuamente a sua experiência. Vejo paralelos entre saúde e telecomunicações. No setor de telecomunicações, os provedores de infra-estrutura acabaram por perder para o aparelho e as empresas de aplicativos que tinham relações diretas com os usuários finais. No setor de saúde, as empresas que não têm contato direto com os pacientes podem se tornar mais parecidas com os provedores de infra-estrutura de commodities.

Em saúde, os médicos têm sido tradicionalmente rei; Eles tiveram o contato com os pacientes, então você focou suas vendas e esforços de comunicação em torno deles. Com a saúde digital, os médicos estão perdendo alguma de sua relevância como o paciente toma mais controle e se torna mais importante como um tomador de decisão informado.

Frank Westermann: Mas não nos vemos como desintermediando o médico. Na verdade, nossa tecnologia reduz as barreiras entre o paciente eo médico. Basta chegar a ver um médico pode ser uma tarefa complexa e demorada. Nossa visão é ter a tecnologia permitir mais pontos de contato com um médico para melhorar o bem-estar.

McKinsey: Então, seu aplicativo poderia ajudar os médicos a se concentrarem em casos mais sérios, com um modelo de suporte mais fino para pacientes bem gerenciados?

Frank Westermann: De certa forma, o modelo que nós prevemos é aquele que é mais intensivo, com múltiplos pontos de contato imediatos com profissionais de saúde qualificados, como educadores de diabetes. Vemos enorme valor em que para os pacientes.

Anton Kittelberger: Eu não acho que estamos atrapalhando o modelo de negócios do médico. O que vai mudar é como as empresas farmacêuticas e os jogadores de diagnóstico vão para o mercado: não apenas através de um médico, mas também via mySugr diretamente aos pacientes. Mas isso não significa excluir o médico.

 

McKinsey: Vejamos o quanto a indústria farmacêutica faz digitalmente. Por que não vemos mais histórias de sucesso?

Frank Westermann: A indústria farmacêutica tradicionalmente trabalha em prazos de 20 anos, impulsionado pelo ciclo de patentes, enquanto pensamos em renovar nossa tecnologia a cada ano. As grandes empresas muitas vezes sofrem de inércia, mentalidade e lacunas de habilidades, e uma desconexão cultural; É difícil mudar milhares de funcionários de um médico foco para um paciente foco em um curto período de tempo. Algumas empresas conseguem externalizar a digitalização criando uma unidade separada ou comprando uma start-up, mas isso não é fácil; Passar para um modelo de negócio digital é uma grande mudança para qualquer grande organização. Mesmo que os líderes de pensamento individuais vejam as oportunidades, eles podem facilmente ficar atolados nos longos ciclos de tomada de decisão da farmacêutica.

 

McKinsey: Como a coleta de dados pessoais de saúde mudará a maneira como as empresas farmacêuticas pensam sobre inovação?

Anton Kittelberger: Eu posso vê-lo influenciar o desenvolvimento de drogas, especialmente a validação de novos compostos. Em vez de criar um ambiente controlado em uma clínica, podemos usar um aplicativo de saúde como mySugr para coletar grandes quantidades de dados longitudinais de pacientes no mundo real, o que poderia acelerar o desenvolvimento clínico e melhorar a qualidade.

 

McKinsey: E quanto à privacidade dos dados? As leis existentes são relevantes em um mundo digital, ou estão de fato impedindo a inovação?

Frank Westermann: Como os dados de saúde são usados ​​é muito importante, e é o papel dos governos para regulá-lo, embora a maioria está se movendo muito devagar. Grandes corporações empurrar os limites da privacidade de dados nos cuidados de saúde muito mais do que pequenos jogadores como nós. Não creio que uma regulamentação sensata possa dificultar a inovação e, na realidade, gostaria de ter mais conversações com os reguladores sobre a privacidade dos dados, especialmente na Europa. Nos Estados Unidos, a Food and Drug Administration está tomando uma postura mais progressista e está muito mais disposta a discutir os dados de saúde e seus usos.

Como eu mesmo, eu acredito que os aplicativos precisam ser regulamentados para proteger os pacientes contra o mau uso ou o compartilhamento excessivo de seus dados. Mas o uso sensato de dados deve ser permitido, a fim de melhorar as orientações de tratamento e cuidados de saúde como um todo.

 

McKinsey: A privacidade ou a segurança são uma barreira à adoção, especialmente para pacientes mais velhos?

Frank Westermann: É nossa responsabilidade proteger os pacientes o máximo possível. Colocamos processos para proteger nosso aplicativo e empregamos hackers para testar a segurança do nosso sistema. Nós nos concentramos não tanto em educar os pacientes como em fazer o aplicativo intuitivo e criar a melhor experiência de usuário possível. Não há nenhuma razão por que os pacientes mais velhos não podem usá-lo, especialmente porque eles ficam mais confortáveis ​​com o uso de smartphones e aplicativos em geral.

 

McKinsey: E quanto à sua visão de longo prazo? Você está pensando em expandir para outras áreas terapêuticas?

Frank Westermann: Não temos planos para expandir para outras áreas da doença. Vivemos e respiramos diabetes, e isso nos dá a nossa vantagem competitiva. Nosso plano de longo prazo é tornar-se uma clínica de diabetes digital: uma plataforma de serviço completo que facilita a vida das pessoas com diabetes. Fizemos um começo, construindo um programa de educadores de diabetes, e também queremos trazer médicos. Vemos nosso papel como um facilitador em qualquer contexto em que o paciente realmente não precisa estar presente no consultório do médico.

 

Fonte: Mckinsey.com

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_