[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Cresce dependência de importações

“Histórica, a dependência brasileira de fertilizantes importados não melhorou nesses últimos anos em que a Vale comprou a Fosfertil e se tornou a maior fabricante de matérias-primas para adubos do país.

Pelo contrário. Como a demanda doméstica aumentou, em linha com a expansão da produção agrícola brasileira, a dependência segue forte e o valor das compras no exterior vem aumentando substancialmente.

Estudo concluído no fim de 2012 pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) estimou as importações de fertilizantes (matérias-primas e produtos intermediários) do país em quase US$ 11 bilhões no ano, ante US$ 9,9 bilhões em 2011 e US$ 5,4 bilhões em 2010. Do total do ano passado, conforme dados da Secex compilados pelo Valor, os potássicos representaram cerca de US$ 4 bilhões. Apenas os cloretos de potássio custaram cerca de US$ 3,5 bilhões, de acordo com cálculos da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

Dada a escassez brasileira de boas fontes de potássio, a Fiesp, em parceria com o Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (Icone), projeta que a dependência continuará grande. Das três fontes principais para a produção de fertilizantes – as outras duas são nitrogênio e fosfato -, o potássio tem o pior cenário. Se em 2010 91% da demanda brasileira foi atendida por importações, a fatia poderá ainda ser de 81% em 2021.”

Fonte: Valor Econômico

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_