[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Empresas tratam esgoto e conseguem reutilizar a água

Estratégia é barata e ajudou empresas no período de seca do Sudeste.
Shopping em SP economizou ao tratar o esgoto de todos os sanitários.

Para enfrentar a seca no Sudeste, algumas empresas desenvolveram uma estratégia de baixo custo: tratar o próprio esgoto e reutilizar a água.

A água de reuso já é um bom negócio, especialmente em São Paulo, castigada por uma das piores estiagens da história. É o caso de uma locadora de roupas e toalhas para salões de beleza, onde lavam-se 2 milhões de peças por mês. Para isso, é preciso muita água: 20 mil litros por dia. A solução foi reaproveit ar a água despejada pelas máquinas.

No espaço pequenininho nos fundos da empresa, com apenas 7 metros quadrados, é suficiente para abrigar uma miniestação completa de tratamento de esgotos.

A água ensaboada da lavanderia é filtrada e se transforma em água de reuso. Essa é a etapa final do tratamento. A água é devolvida às máquinas de lavagem, com menos custo e menos desperdício para a empresa. O investimento foi de R$ 80 mil. A água reutilizada aliviou as contas da empresa.

“Eu gastava uma média de R$ 8 mil por mês para a manutenção da minha água e hoje eu estou gastando entre os produtos químicos, o tratamento, eu estou gastando R$ 3 mil. Então, se você fizer um cálculo bem rápido, eu estou levando uma vantagem de R$ 5 mil por mês”, conta Adolfo Buttler, dono da lavanderia.

Uma parte importante do processo de tratamento de esgoto dentro da empresa é o lodo residual, que é aquilo que é retido pelos filtros e tem uma cor acinzentada. O lodo do afluente de tratamento em estado semi-sólido tem uma porcentagem significativa de água. Não é um resíduo perigoso.

Quando esse resíduo está seco, como ele tem 90% de algodão, pode servir como biomassa e pode ser agregado com artefatos da construção civil fazendo um tijolo ecológico, que é uma das alternativas que eles buscam.

Há sete anos um shopping em São Paulo começou a transformar a água o esgoto que vem dos sanitários e  da praça de alimentação. Resultado: a conta de água, que era de R$ 80 mil por mês, caiu para R$ 20 mil. Até o momento já foi possível economizar R$ 2,5 milhões.

“Esse sistema me permite eu consumir 30% a menos de água da rede pública reutilizando a água que tenho aqui internamente no shopping e que normalmente seria descartada”, diz Ricardo Gonçalves Omar, gerente de operações do shopping.

No resultado final do tratamento na microestação, a água que é reutilizada no shopping tem uma coloração meio amarelada. Mas, para evitar o risco de algum cliente ou funcionário fazer uso dessa água como água potável, eles têm o cuidado de misturar um corante da cor azul para que o resultado final fique com a coloração meio azul esverdeada que a água de reúso que circula pelo shopping.

Ninguém estranha o uso dessa água na limpeza do shopping, nos equipamentos ou no ar condicionado. Mas, e nos banheiros?

“Estranhei até o momento em que eu tive que fazer o trabalho da escola que eu descobri o porquê que era daquela cor. Sobre o reúso da água. Eu fiz sobre o shopping e levei uma nota muito boa por isso”, afirma a balconista Cristina Domingues.

Uma fábrica de remédios em Itapevi, na Grande São Paulo, produz 9 milhões de litros da água de reúso por mês. O que não é usado na indústria é doado para a prefeitura local para limpar ruas e regar canteiros.

“Nós disponibilizamos durante um ano cerca de 220 mil litros de água e esse recurso nós temos a intenção de aumentar gradativamente conforme nós aumentarmos o volume nosso de tratamento”, explica Isamara Garcia Freitas, gerente de gestão ambiental.

Na coluna Sustentável, já foi mostrado o maior projeto de água de reuso da América Latina. É o Projeto Aquapolo, uma parceria da Sabesp, a companhia de águas e esgoto de São Paulo com a iniciativa privada, que distribui água de reuso para 10 fábricas da região do ABC.

A economia de água potável equivale ao consumo diário de uma cidade com 500 mil habitantes. E poderia ser maior. O Aquapolo tem capacidade de produzir 1.000 litros por segundo de água de reúso, mas só entrega 650 mil porque faltam interessados.

Um outro problema, segundo os técnicos do setor, é que as leis não são suficientemente claras no Brasil quando o assunto é água de reúso.

“No Brasil, a legislação não é específica para reúso, ao contrário de outros países do mundo que praticam isso há muito tempo e têm legislações específicas que criam parâmetros que dão ordem como fazer isso atribuindo responsabilidades, dão segurança às áreas executivas para que elas possam agir”, diz Paulo Nobre, superintendente de tratamento de esgoto da Região Metropolitana da Sabesp.

Hoje, menos de 0,1% da água produzida no país é de reúso. Em Cingapura, por exemplo, o percentual de água reciclada chega a 30%. Para Luciano Borges, especialista da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), quando água de reúso vira política pública, os resultados aparecem rápido.

“Israel consegue utilizar 70% do esgoto tratado, o sul da Europa, cerca de 40 a 50%. O mesmo número alcançado em alguns estados americanos”, aponta Luciano Borges, professor de engenharia química da Coppe/UFRJ.

No Brasil, até as comunidades rurais poderiam ser beneficiadas com a água de reúso. Pelas contas da Ana (Agência Nacional de Águas), com o esgoto tratado de uma cidadezinha de 20 mil habitantes seria possível assegurar água para irrigar uma área equivalente a 60 campos de futebol.

Evitar o desperdício de água não é o suficiente. O Brasil precisa fazer muito mais para evitar falta d’água e prestar mais atenção na riqueza escondida nos esgotos.

Fonte: G1 – Jornal da Globo

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_