[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Jogos Olímpicos do Rio contam com programa de reciclagem de EPS

Com o objetivo de tornar a edição dos Jogos Olímpicos campeã em sustentabilidade, o Comitê Olímpico Rio 2016 anunciou parcerias e projetos a fim de estimular a reciclagem e da inclusão social.

A Termotécnica, maior indústria transformadora de EPS da América Latina, e a Prórecicle Ambiental, que atua na logística e destinação correta de resíduos recicláveis e foi contratada pelo Comitê Olímpico para gestão dos resíduos, serão responsáveis pela logística reversa e reciclagem de todo EPS recolhido na Vila Olímpica, no Rio de Janeiro (RJ).

Todo o EPS gerado na instalação de eletroeletrônicos nos 3.604 apartamentos, distribuídos nos 31 edifícios da Vila Olímpica, no Rio de Janeiro (RJ) serão reciclados. Com a parceria, a Prórecicle Ambiental, localizada em Duque de Caxias, será responsável por receber, compactar e armazenar o EPS até acumular um grande volume, que será enviado à Termotécnica. O processo de reciclagem do EPS será realizado pela Termotécnica e o EPS reciclado poderá ser utilizado em novos produtos como solados de sapatos, rodapés, molduras e decks de piscina.

Através do projeto “Reciclagem Inclusiva: Catadores nos Jogos Rio 2016”, pela primeira vez na história dos Jogos Olímpicos, catadores de materiais recicláveis vão atuar nos serviços de coleta seletiva durante os jogos. O projeto, lançado na última sexta na sede da cooperativa Ecoponto, no Rio de Janeiro, trata-se de uma parceria com três redes que representam cooperativas de catadores do Rio de Janeiro, que serão responsáveis diariamente pela coleta seletiva de todo o lixo acumulado nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. A estimativa é de recolher cerca de 3,5 mil toneladas de resíduos para serem reciclados até o fim de setembro.

Com um investimento de mais de R$3 milhões, cerca de 280 catadores devem desenvolver atividades educativas e operacionais, em 3 áreas da competição: Deodoro, Barra da Tijuca e Maracanã. Os profissionais, uniformizados e munidos de equipamentos de proteção, devem recolher e transportar os resíduos à um centro de triagem, onde o material será encaminhado às cooperativas selecionadas para ser separado e enviado para a reciclagem.

A iniciativa de gestão dos resíduos sólidos faz parte do Programa de Sustentabilidade dos Jogos Olímpicos 2016, que abrange ações envolvendo o ciclo da geração até a destinação final em todas as fases das competições. Além destas parcerias no Rio de Janeiro, estão previstas ações para implementação da coleta seletiva nas cidades que sediarão as competições de futebol masculino e feminino: São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Salvador (BA) e Manaus (AM).

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_