[Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ] [Escola de Química - UFRJ]

Núcleo de Estudos Industriais e Tecnológicos - UFRJ

centro de excelência na área de Gestão da Inovação, Inteligência Competitiva,
Prospecção Tecnológica e Monitoramento Tecnológico e Mercadológico

Petrobras Biocombustíveis:
etanol de segunda geração

Com o objetivo de aumentar o seu market-share de etanol, a Petrobras traça planos para alcançar 12% de representatividade no mercado até 2015. Para tal, a empresa planeja ampliar em 275% sua produção, que atualmente é de 1,5 bilhão de litros por ano. Acredita-se ser possível alcançar essa meta com um investimento de R$ 1,9 bilhão, dos quais 30% iriam para aquisições de usinas já existentes e os 70% restantes seriam destinados a projetos greenfield.

O projeto de ampliação consiste também em dominar novas rotas tecnológicas. Nesse sentido a Petrobras destinará R$ 300 milhões para pesquisa e desenvolvimento; recurso que será direcionado a tornar comercial a tecnologia de fabricação de etanol de segunda geração, no caso etanol celulósico fabricado a partir de bagaço de cana-de-açúcar. Feito isso, estima-se um aumento de 30% na produção de etanol sem que haja necessidade de ampliação de área plantada. Outra rota tecnológica que a empresa busca aprimoramentos para tornar mais viável em escala comercial é a de fabricação do BioQAV, o querosene de aviação biocombustível. Espera-se que em 5 anos se inicie a produção e a comercialização pela empresa, englobando mais este segmento a sua linha de combustíveis renováveis.

Visando acompanhar a crescente demanda, o governo brasileiro garante benefícios fiscais no projeto de ampliação da Petrobras, acreditando assim, estar colaborando para atingir a meta de dobrar a produção brasileira de etanol nos próximos 10 anos.

 

Fonte: MaxiQuim

COMENTÁRIOS

REDES SOCIAIS_